Cuidar de Você 06 de Setembro de 2017

Hipocondríaco: será que ele é?


A hipocondria é uma doença séria e que requer cuidado. Pior: muitas pessoas não assumem que estão com a doença e por isso não procuram tratamento. Saiba neste post quais são os sintomas e como é o tratamento do hipocondríaco.diversos-remediosJá passava das 2h da manhã quando José levantou da cama com uma vontade descomunal de urinar. De rabo de olho, olhou sua urina e logo percebeu que ela estava mais escura que o normal. Sem pisar direito no chão, correu e digitou no seu computador “urina preta doença séria”. Pronto, foi o necessário para José marcar três consultas, duas com clínicos gerais distintos e uma com um nefrologista, porque claro, acreditava que era algo sério em seu fígado. É, José é o típico rapaz hipocondríaco.

Muitas são as causas que fizeram de José uma pessoa hipocondríaca. Muitos também são os sintomas que nos fazem identificar o sério transtorno em seu comportamento. No entanto, existe uma possibilidade remota de José se autodenominar hipocondríaco. Isso acontece, pois, na maioria dos casos, as pessoas que possuem esse transtorno realmente não acreditam que são hipocondríacas.

Mas o que é Hipocondria?

Trata-se de uma patologia na qual a pessoa acredita que possui uma doença, geralmente séria, mesmo sem nenhuma evidência médica. O hipocondríaco tem o costume de procurar médicos e fazer exames rotineiramente, além de possuir um medo excessivo da morte. A preocupação abundante com doenças traz uma angústia constante ao hipocondríaco.

De acordo com a psicóloga do Hospital Regional Unimed, Natália Barros, a hipocondria está diretamente ligada à ansiedade e a transtornos obsessivos compulsivos. “Qualquer sintoma simples, se torna uma coisa grave para o hipocondríaco, ou seja, ele maximiza qualquer sintoma”, explica a psicóloga.

E o que causa a hipocondria?

Muitas são as causas que fazem com que a pessoa desenvolva esta patologia. As principais delas são: perda na infância, histórico de doenças graves na família e pais pouco afetivos. Este último causador parece estranho, mas se trata de um determinante influenciador do desenvolvimento desta patologia, pois a pouca afetividade, traz, ao hipocondríaco, uma necessidade de atenção, o que faz com que ele crie sintomas constantes para que as pessoas direcionem sua atenção à eles.

Como identifico um hipocondríaco?

Lembra do José? Percebeu que ele marcou três consultas por conta de uma urina um pouco mais escura? Pronto. Essa é uma das formas mais fáceis de identificar um hipocondríaco. Ele vai a diversos médicos em poucos espaços de tempo. Faz isso por não acreditar nos diagnósticos dos médicos e procurar, incessantemente, um parecer que vá ao encontro de suas dores. Então, primeira forma de identificar: observe se a pessoa está indo a muitos médicos.

Mas por qual motivo ele marcaria tantos médicos? É simples, por achar que qualquer sintoma que tenha é algo muito grave. Como falamos anteriormente o hipocondríaco acredita que qualquer sintoma é algo que pode tirar a sua vida. Então, se você observar que a pessoa maximiza qualquer sintoma, também é uma forma de reconhecer que é hipocondríaca.

Diante dos sintomas que o paciente acredita está sentindo, ele se automedica (faz uso de medicação por conta própria), visto que não há validação médica das suas queixas.

Ora, se ele procura muitos médicos por achar que está com algo muito grave, é claro que fará os mais complexos exames para tirar a dúvida. E fará repetidamente, por não acreditar nos resultados. Esta é a terceira forma de se identificar um hipocondríaco, vendo que ele faz muitos exames complexos.

Além disso, é comum pessoas hipocondríacas lerem ou ouvirem sobre uma determinada doença e prontamente sentir todos os sintomas da doença, acreditando estar portando ela.

Como tratar a hipocondria?

Lembrando que se trata de uma patologia que está diretamente ligada à ansiedade e a transtornos obsessivos compulsivos é importante procurar a ajuda de um profissional da psicologia para ajudar no tratamento. Contudo, antes se pode procurar um médico especialista em clínica geral para que ele tire todas as dúvidas da pessoa que sofre com essa patologia.

Após todas as dúvidas sanadas, é importante a realização da psicoterapia. Ela vai trabalhar o porquê de ele ser hipocondríaco e também o que reforça o comportamento no seu dia a dia. “Na terapia vai-se trabalhar com o objetivo de desconstruir essas crenças todas, inclusive vai descobrir o que na historia de vida dele reforça e mantém tal comportamento. No entanto, muitas vezes, também é necessário o auxílio de um psiquiatra”, afirmou Barros.

Mas por qual motivo a ansiedade está ligada a hipocondria?

Já pensou você ir a vários médicos, fazer diversos exames e mesmo assim você não conseguir detectar aquilo que você tem certeza que sente? Então, esse comportamento causa ansiedade. A angústia de não ter a validação de seus sintomas faz com que ele se torne uma pessoa cada vez mais ansiosa.

Além disso, há também o medo excessivo em ficar doente. Para aqueles que sentem mais esse medo, há a possibilidade de desenvolver um comportamento obsessivo compulsivo de limpeza, por achar que pode “pegar” alguma doença.

Veja o que dizem os especialistas sobre o transtorno de ansiedade

Pode durar a vida toda?

Sim. Esta patologia pode durar a vida toda se não buscar ajuda e tratamento. No entanto, trata-se de uma doença tratável (apesar de não se tratar hipocondria de um dia para o outro), por isso a importância do acompanhamento psicológico e psiquiátrico.

Agora que você sabe tudo sobre hipocondria, podes muito bem indicar um bom médico para aquele amigo (o seu José) que está apresentando todos os sintomas, basta olhar no nosso guia médico. Hipocondria é uma doença séria e que precisa de tratamento.
 



Compartilhe nas redes sociais:
Rodapé da página.